Subscribe:

Pages

sexta-feira, 9 de agosto de 2019

A EU-OSHA apresenta a nova base de dados de substâncias perigosas - consulte-a!




Trabalha com substâncias perigosas ou gere pessoas que o fazem? Necessita de mais informação sobre como avaliar e gerir os riscos? Em caso afirmativo, consulte a nova base de dados global da EU-OSHA de ferramentas práticas e orientações relativas a substâncias perigosas, que contém ligações a recursos-chave e ferramentas audiovisuais dos Estados­Membros, da União Europeia e de outras fontes.

As centenas de entradas da base abarcam temas como a formação ou a avaliação de riscos, substâncias cancerígenas e substituição.

Além disso, a base é de pesquisa fácil e, portanto, se estiver interessado nos recursos de um país, num setor, numa tarefa de trabalho ou num perigo em especial, pode encontrar exatamente o que procura, de forma rápida e fácil.






quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Novo banco de dados online para identificar desreguladores endócrinos


(foto com direitos reservados)


Uma equipa indiana do Instituto de Ciências Matemáticas de Chennai, na Índia, disponibilizou online um banco de dados para identificar 686 agentes disruptores endócrinos. Este banco de dados é chamado DEDuCT: Database on Endocrine Disrupting Chemicals e vem acompanhado de perfis de toxicidade.

A base de dados é fundamentada na análise da literatura científica existente. Foram revistos mais de 16.000 artigos. Como primeiro passo, foram identificados 1.626 agentes químicos nos artigos que atenderam aos critérios de inclusão deste estudo. Alguns agentes foram então dispensados.

A seleção final identifica 686 disruptores endócrinos e é baseada em 1796 publicações.

Os disruptores endócrinos identificados foram classificados de acordo com critérios diferentes: A sua ação pode ter sido observada in vivo em humanos (categoria I: 7 substâncias identificadas), in vivo em roedores e in vitro em experiências com células humanas (categoria II).

Como resultado: 142 substâncias identificadas; apenas in vivo em pacientes roedores - 367 substâncias identificadas; apenas in vitro com células humanas: 170 substâncias identificadas).


Outro interesse deste estudo foi a identificação dos efeitos na saúde.

Foram selecionadas sete categorias gerais de efeitos que cobrem distúrbios hormonais relacionados à reprodução, ao desenvolvimento, ao metabolismo, ao sistema hepático, imunologia, neurologia e cancros relacionados com o sistema hormonal. Para cada uma dessas categorias, este banco de dados pode ser usado para verificar se efeitos específicos já foram identificados na literatura científica. Por exemplo, usando a entrada "cancro do ovário", existem quatro disruptores endócrinos identificados por associação a esta patologia.

Uma possível terceira via de entrada é constituída pelo uso das substâncias. O banco de dados distingue sete grandes categorias: produtos de consumo, agricultura, indústria, medicina e saúde, poluentes, fontes naturais, intermediários nos processos de produção.

Um número particularmente elevado de desreguladores endócrinos foi identificado em categorias em que as exposições ocupacionais são decisivas (299 para a agricultura, 301 para a indústria e 212 para os cuidados de saúde).

Este novo banco de dados complementa os cinco bancos de dados existentes em todo o mundo. A lista mais abrangente foi criada pelo Instituto de Pesquisa TEDX nos Estados Unidos. Baseia-se na cooperação entre organizações não-governamentais e instituições académicas. É atualizado regularmente e é acompanhado por um programa de pesquisa científica sistemática. Atualmente abrange mais de 1.400 substâncias.

Na União Europeia, não há atualmente nenhum banco de dados oficial sobre desreguladores endócrinos. Foi estabelecida uma lista de substâncias prioritárias pela DG Ambiente em 2000. Ao abrigo do REACH, apenas 16 substâncias foram até à data incluídas na lista de substâncias que suscitam grande preocupação (Lista de Substâncias Candidatas) devido aos efeitos da desregulação endócrina no ambiente ou na saúde humana.

No entanto, em setembro de 2017, a Comissão Europeia adotou critérios para a identificação de desreguladores endócrinos no âmbito do regulamento relativo aos produtos biocidas e em novembro de 2018 publicou uma comunicação sobre a sua estratégia para proteger os cidadãos e o ambiente contra os efeitos adversos destas substâncias.

"A definição demasiado restritiva dos critérios de identificação dos disruptores endócrinos adotada pela Comissão Europeia em Dezembro de 2017 constitui, hoje, um obstáculo a uma política ambiciosa de proteção da saúde pública e do ambiente.

A questão da exposição ocupacional é dramaticamente subestimada e atualmente não há legislação da UE que aborde especificamente a questão da prevenção de riscos ocupacionais para desreguladores endócrinos " diz Laurent Vogel pesquisador do Instituto Europeu de Sindicatos (ETUI).

Nota: Tradução da responsabilidade do Departamento de SST






Riscos de SST e como os prevenir: 25 anos de sensibilização


A sensibilização para os riscos a que os trabalhadores estão expostos e a forma de os prevenir ocupa um lugar central na missão da EU-OSHA.

Ao longo dos últimos 25 anos, a Agência e os seus parceiros chegaram aos públicos-alvo através das Campanhas «Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis», da Semana Europeia da Segurança e Saúde no Trabalho  e de muitas outras atividades de sensibilização.

Envolver os públicos-alvo é fundamental para o êxito destes esforços de sensibilização e para a promoção de práticas seguras e saudáveis nos locais de trabalho da Europa.

O Napo  faz isso mesmo, com uma série de filmes sem recurso a palavras que combinam uma abordagem divertida com mensagens importantes. A Agência começou a executar campanhas de locais de trabalho saudáveis de 2 anos em 2008, com o objetivo de aumentar a conscientização sobre questões importantes relacionada com a SST e fornecer recursos em 25 idiomas para gerir os problemas nos locais de trabalho:

- Avaliação de Risco (2008-09)
- Manutenção Segura (2010-11)
- Trabalhando juntos para a prevenção de riscos (2012-13)
- Locais de trabalho saudáveis gerenciam o stresse (2014-15)
- Locais de trabalho saudáveis para todas as idades (2016-17)
- Locais de trabalho saudáveis gerem as substâncias perigosas (2018-19).

A próxima campanha, “ aliviar a carga” (2020-2022), será a primeira campanha a seguir um ciclo de três anos e vai concentrar-se nos distúrbios músculo-esqueléticos relacionados com o trabalho. Estas campanhas são um dos eventos mais importantes da Semana Europeia da Segurança e Saúde no Trabalho.

A Semana Europeia, realizada todos os meses de outubro, visa aumentar a conscientização sobre a importância da gestão ativa e participativa da SST e continua a ser um dos destaques das Campanhas Locais de Trabalho Saudáveis.

De facto, a Semana Europeia é o maior evento anual de SST, com centenas de atividades, desde eventos de networking a exibições de filmes e sessões de formação, a decorrer na Europa.

O sucesso das Campanhas Locais de Trabalho Saudáveis depende dos parceiros da EU-OSHA: os Pontos Focais Nacionais e as suas redes, os parceiros oficiais da campanha e os parceiros dos meios de comunicação social.

A sua participação em eventos e divulgação de políticas é uma das coisas mais importantes na Europa. A troca de boas práticas também é um elemento-chave das campanhas. 

Fonte: OSHA

Trabalho+Seguro: Revista Sindical sobre SST - 3ª Edição - Agosto 2019




Já se encontra disponível a 3ª Edição da Revista "Trabalho+Seguro" do Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho da UGT, dirigida aos Sindicatos, Uniões, Trabalhadores e Representantes dos Trabalhadores para a SST.

Nesta edição são temas em destaque:

  • Ferramenta Interativa de Avaliação de Riscos - OiRA;
  • Factos e Números: Factos sobre a avaliação de Riscos no Local de Trabalho;
  • Caderno Prático: Avaliação de Riscos no Local de Trabalho.




quarta-feira, 7 de agosto de 2019

Ligação entre o trabalho noturno e o cancro




Em junho de 2019, um grupo de trabalho constituído por 27 cientistas de 16 países reuniu-se na Agência Internacional de Pesquisa sobre o Cancro (IARC) em Lyon, na França, para finalizar a sua avaliação sobre a probabilidade do trabalho noturno causar cancro. Esta avaliação será publicada no Volume 124 das Monografias do IARC. Um primeiro resumo do trabalho foi publicado no jornal “The Lancet”, no passado mês de julho de 2019.

A IARC já havia avaliado o trabalho noturno como parte integrante de um estudo sobre trabalho por turnos. O trabalho noturno foi, pois, classificado como "provavelmente cancerígeno para humanos" (Grupo 2A).

A principal explicação está na interrupção dos ritmos circadianos que constituem uma espécie de relógio biológico que o ser humano tem. Esses ritmos determinam as variações ao longo de um período de 24 horas, numa ampla gama de atividades, como o sono / vigília, a circulação sanguínea, a produção de urina e fezes e os níveis de produção de hormonas. 

Alguns tipos de cancro, como o cancro da mama e o da próstata, são "dependentes das hormonas", isto é, o seu desenvolvimento pode ser causado ou facilitado por interrupções na sua produção .

A nova avaliação de 2019 é justificada pela publicação de numerosos estudos posteriores a 2007, que permitem refinar o conhecimento sobre esta questão. 

O grupo de trabalho escolheu o termo "trabalho noturno" para descrever melhor as circunstâncias da exposição e refletir sobre as principais evidências utilizadas nos estudos sobre cancro em humanos.

Estima-se que cerca de 20% dos trabalhadores no mundo são afetados pelo trabalho noturno. Essa situação é particularmente comum em certos setores, como a saúde, os transportes, as atividades industriais, os serviços de logística comercial.

O grupo concluiu que o trabalho é importante para o surgimento do cancro da mama, tendo em conta os resultados obtidos num importante estudo sobre a saúde das enfermeiras "Nurses 'Health Study II".

O Centro Internacional de Pesquisas sobre o Cancro (CIRC) é um organismo da Organização Mundial da Saúde. Uma das nossas atividades é a identificação de agentes e a sua classificação.

Uma de suas atividades é a identificação de agentes cancerígenos e a sua classificação. Este trabalho é tornado público através da publicação de monografias. O Centro baseia-se em estudos científicos publicados, enquanto a maioria das agências especializadas trabalha sobre dados desenvolvidos pela indústria e que não foram objeto de publicações que permitam um melhor controle sobre os métodos utilizados.

Isso explica a razão do IARC ser alvo de ataques regulares da indústria química. Em particular, a classificação do glifosato como provável cancerígeno para humanos (2A) resultou numa campanha do American Chemistry Council (ACC) e ameaças de encerramento do financiamento dos EUA para as atividades deste órgão. Uma campanha semelhante havia sido lançada contra a IARC no início dos anos 2000, quando classificou o fumo passivo como cancerígenos para os seres humanos (categoria 1)

Nota: tradução adaptada da responsabilidade do Departamento de SST










segunda-feira, 5 de agosto de 2019

Já ouviu falar do Pilar Europeu dos Direitos Sociais?

Quase 30 anos após a introdução da diretiva-quadro, outro marco importante — o Pilar Europeu dos Direitos Sociais — vem conferir mais direitos aos cidadãos europeus em matéria de bem-estar e emprego.

Desde o direito a um salário digno até ao direito aos cuidados de saúde, à aprendizagem ao longo da vida, a um melhor equilíbrio entre vida profissional e vida privada e à igualdade de género no rendimento mínimo, o Pilar Europeu dos Direitos Sociais permite à UE assumir a defesa dos direitos dos seus cidadãos num mundo em rápida transformação.
Jean-Claude Juncker, Presidente da Comissão Europeia, 17 de novembro de 2017

O Pilar define trabalho como um direito social fundamental e confere aos trabalhadores elevados níveis de proteção, independentemente da idade. Dois dos 20 princípios do Pilar relacionam-se diretamente com a SST:
  • o direito a um ambiente de trabalho são, seguro e bem adaptado
  • o direito a um equilíbrio entre vida profissional e vida privada saudável.
O Pilar proporciona assim um apoio de alto nível ao trabalho da EU-OSHA. É evidente que a Agência tem um papel importante a desempenhar no apoio aos valores do Pilar e na aplicação dos seus princípios. Duas áreas do trabalho da EU-OSHA assumem especial importância:
Com efeito, todo o trabalho da Agência contribui de alguma forma para tornar os locais de trabalho na Europa mais seguros e mais saudáveis, e a vida profissional mais sustentável, protegendo assim os direitos preconizados no Pilar.

Fonte: OSHA

Já explorou a infografia multilingue da OSHA sobre as substâncias perigosas?



A EU-OSHA apresenta uma infografia interativa criada para apoiar a campanha Locais de Trabalho Saudáveis: Gerir as substâncias perigosas .

A infografia permite aos utilizadores descobrirem factos e números sobre os riscos que as substâncias perigosas representam para os trabalhadores e os benefícios de gerir esses mesmos riscos. É de fácil utilização e abrange mensagens-chave, tais como os perigos dos agentes cancerígenos no local de trabalho e os riscos para grupos específicos de trabalhadores.