Subscribe:

Pages

quarta-feira, 20 de maio de 2020

inquérito online da Eurofound "Living, working and COVID-19"


Após o lançamento do  durante o mês de abril, já se encontram disponíveis as primeiras conclusões que estão agora disponíveis no website da EUROFOUND.


O inquérito visou entender como a pandemia COVID-19 afetou as pessoas em toda a Europa, com um ênfase específico em vários aspetos da qualidade de vida, do bem-estar subjetivo, do emprego, da situação financeira e dos níveis de confiança nas instituições.

Participaram mais de 85.000 pessoas em toda a Europa, tendo sido realizadas 62.755 entrevistas completas.

Os primeiros resultados mostram uma Europa a lutar para responder à crise causada pela pandemia COVID-19, com muitos inquiridos a reportarem níveis mais baixos de otimismo sobre o seu futuro.

Globalmente, as pessoas mostram alguma diminuição do seu bem-estar e também reportam níveis de confiança muito mais baixos na UE e nos seus governos nacionais, em contraste com uma confiança muito maior nos serviços de saúde e na polícia.

Os resultados do inquérito confirmam também um aumento do teletrabalho e, para um número crescente de inquiridos, um sentimento de insegurança em relação ao seu trabalho, com uma diminuição dramática do tempo de trabalho.

Por último, o inquérito traça um quadro claro da vida das pessoas nos 27 Estados-Membros que viram a sua situação económica agravar-se e estão profundamente preocupadas com o seu futuro financeiro.

Está disponível no site da EUROFOUND uma ficha técnica que contém os detalhes das primeiras descobertas.

O inquérito mantém-se online em http://eurofound.link/survey002 e está agendada a disseminação dos resultados finais em setembro.

Paralelamente, a Eurofound está a acompanhar a evolução da situação em matéria de medidas tomadas pelos agentes políticos para combater os efeitos da pandemia nas condições de vida e de trabalho.

Fornecerá igualmente análises aprofundadas de tópicos específicos.

Mais informações podem ser encontradas aqui.

Resumo

No espaço de apenas algumas semanas, a pandemia COVID-19 causada pelo novo coronavírus transformou radicalmente a vida de pessoas em todo o mundo. Para além das consequências devastadoras para a saúde das pessoas diretamente afetadas pelo vírus, a pandemia COVID-19 tem tido grandes implicações na forma como as pessoas vivem e trabalham, afetando o seu bem-estar físico e mental de uma forma profunda.

Para entender os efeitos económicos e sociais imediatos desta crise, a Eurofound lançou um inquérito em larga escala em toda a União Europeia. Intitulado “Viver, Trabalhar e COVID-19”,o objetivo do inquérito é investigar o impacto no bem-estar, no trabalho e no teletrabalho e na situação financeira das pessoas que vivem na Europa.

Inclui uma série de questões relevantes para pessoas em várias faixas etárias e situações de vida. A maioria das questões baseia-se no Inquérito Europeu à Qualidade da Vida (EQLS) da Eurofound e no European Working Conditions Survey (EWCS), enquanto outras questões são novas ou foram adaptadas de outras fontes, como as estatísticas da UE sobre o rendimento e as condições de vida (EU-SILC).


Principais conclusões

- Os países mais atingidos pela pandemia sentem o impacto mais significativo no seu bem-estar. Os resultados de alguns países são particularmente marcantes, com a satisfação da vida em França a atingir agora o nível mais baixo, em comparação com os inquéritos realizados antes da crise.

- Mais de metade dos inquiridos da UE encontram-se preocupados com o seu futuro em consequência da crise COVID-19, com apenas 45% a sentirem-se otimistas. Ao contrário dos inquéritos realizados antes da pandemia, países como a França, a Bélgica, a Itália e a Grécia estão a ver o otimismo descer abaixo da média da UE.

- As pessoas em toda a UE relatam níveis de confiança dramaticamente baixos na UE e nos seus governos nacionais, nomeadamente em vários Estados-Membros tradicionalmente pró-UE, como a França, a Itália e a Espanha, levantam questões fundamentais sobre a perceção da ação da UE durante a crise.

- Mais de um quarto dos inquiridos em toda a EU, nesta fase, reportam a perda de emprego temporariamente (23%) ou permanentemente (5%), com os jovens mais afetados. Metade dos trabalhadores tem também o seu horário de trabalho reduzido, especialmente na Roménia, Itália, França, Chipre e Grécia. Os países nórdicos registaram menos reduções no tempo de trabalho.


- Quase 40% das pessoas na Europa reportam a sua situação financeira como pior do que antes da pandemia – o dobro dos números reportados nas sondagens antes da crise. 

- Cerca de metade indica que as suas famílias não podem pagar as despesas e mais de metade reportam que não conseguem manter o seu nível de vida por mais de três meses sem um rendimento.

- A situação é ainda mais dramática para três quartos dos desempregados que não conseguem sobreviver por mais de três meses, com 82% a informar que o seu agregado familiar tem dificuldade em pagar as despesas.

Nota: tradução da responsabilidade do Departamento de SST da UGT.

Aceda à versão original Aqui.

0 comentários:

Publicar um comentário