Subscribe:

Pages

sexta-feira, 29 de maio de 2020

Quando o trabalho afeta a saúde de uma geração para a outra - parte III

UGT : Segurança e Saúde no Trabalho

(imagem com DR)


Ignorância tóxica

A falta de prevenção é muitas vezes resumida à ausência de dados, mas esta explicação é inadequada. Mesmo no caso das substâncias cuja reprotoxicidade há muito é reconhecida, a prevenção está longe de ser suficiente. A ausência de dados é, por si só, o resultado da falta de prevenção.

A falta de um quadro jurídico suficientemente rigoroso para a prevenção significa que os dados não foram recolhidos. A ignorância não é inevitável. A toxicologia estuda substâncias através de testes laboratoriais, muitas vezes realizados em animais, mas muitos efeitos passam despercebidos se os testes não forem prolongados ao longo de duas gerações.

O regulamento da UE é obrigatório apenas para os volumes de produção mais elevados (10 000 toneladas por produtor por ano), pelo que a grande maioria das substâncias no mercado estão isentas desses ensaios. A epidemiologia toma a saúde registada como ponto de partida e procura as suas causas.

Estabelece se uma condição é mais comum num grupo exposto a um fator de risco do que num grupo de controlo. É necessário desenvolver uma investigação epidemiológica sobre o efeito dos fatores de trabalho na saúde reprodutiva.

O estudo da PELAGIE realizado em França mostra o potencial dessa investigação. Trata-se de um estudo longitudinal que tem acompanhado o estado de saúde de uma população específica em diferentes pontos durante um longo período.

Foi criada na Bretanha em 2002 e incluiu 3 421 mulheres grávidas. O seu objetivo é avaliar as consequências a longo prazo para a gravidez e para o desenvolvimento infantil da exposição pré-natal e infantil a vários contaminantes ambientais e no local de trabalho.

As crianças foram avaliadas com idades entre os dois e os seis anos e estão agora a ser acompanhadas como adolescentes. Um subgrupo de crianças é objeto de um estudo mais detalhado do desenvolvimento cognitivo e psicológico e da função cerebral.

Entre vários resultados relacionados com os efeitos da exposição ao local de trabalho materno, o estudo encontrou ligações entre solventes orgânicos e defeitos congénitos, e entre pesticidas organofosfatos e problemas respiratórios e alérgicos infantis. Há uma terceira fonte de dados com grande potencial, mas depara-se com o problema da divisão da saúde pública e local de trabalho.

As autoridades que mantêm registos de defeitos congénitos não recolhem informações sobre o trabalho dos pais. Os registos de cancro tornam simples identificar cancros infantis, mas os dados não estão ligados ao histórico do emprego parental. A recolha de dados de diferentes fontes resolveria isto.

Estudos pioneiros mostraram até que ponto o conhecimento está a ser retido por não fazer uso destes registos. Investigadores finlandeses publicaram um estudo em 1980 com base numa análise do registo de defeitos congénitos do seu país. Concentraram-se em defeitos do sistema nervoso central e realizaram entrevistas detalhadas com as mães para investigar as suas condições de trabalho.

O seu estudo revelou o risco colocado pelos solventes orgânicos e pela poeira industrial. Mais de 40 anos depois, uma equipa dinamarquesa trabalhou em registos de cancro e estabeleceu uma ligação entre o cancro infantil e ter um pai que trabalhava na indústria da pintura. Uma outra equipa dinamarquesa mostrou uma ligação entre a exposição materna às emissões dos motores diesel e a incidência dos seus filhos de cancros do sistema nervoso central.

A Comissão Europeia afasta a questão

Na legislação da UE, as reprotoxinas são classificadas na mesma categoria que os agentes cancerígenos e os mutagénicos. Em questões relacionadas com a proteção dos consumidores ou do ambiente, os regulamentos da UE consideram, com razão, que as mesmas regras devem ser aplicadas às substâncias que partilham duas características essenciais: o seu risco para a saúde humana é particularmente elevado e muitas vezes irreversível, e os seus efeitos podem não se apresentar durante anos, o que as torna menos visíveis.

 Esta é a abordagem adotada pela REACH (Registo, Avaliação, Autorização e Restrição de Produtos Químicos), o principal instrumento regulamentar para a forma como as substâncias químicas são colocadas no mercado, e por muitas regulamentações específicas para coisas como pesticidas, cosméticos, biocidas e resíduos.

A única exceção é a saúde no local de trabalho. Existe desde 1990 uma diretiva da UE sobre os agentes cancerígenos. Em 1999, o seu âmbito foi expandido para incluir mutagénicos (substâncias que causam mutações no genoma humano). Em 2002, a Comissão Europeia iniciou uma nova revisão da presente diretiva com o objetivo de introduzir reprotoxinas no seu âmbito de aplicação.

Já existia uma diretiva geral sobre agentes químicos datados de 1998. As medidas preventivas especificadas foram marcadamente menos rigorosas do que os de agentes cancerígenos. Continha apenas uma reprotoxina obrigatória OEL, para chumbo. Este OEL foi fixado a um nível tão elevado que não oferecia proteção contra os riscos para a saúde reprodutiva.

O tratamento das reprotoxinas através das disposições da Diretiva relativa aos agentes químicos vai contra a abordagem geral do direito comunitário, que reconhece que estas substâncias são uma fonte de grande preocupação e precisam de ser sujeitas a uma legislação mais rigorosa.

O bloqueio geral da revisão da diretiva sobre carcinogénicos e mutagénicos durante a presidência da Comissão de José Manuel Barroso (2004-2014) desperdiçou uma década. Por diversas vezes, o Parlamento Europeu votou a favor de uma revisão da diretiva e de introduzir reprotoxinas no seu âmbito de aplicação.

As organizações sindicais e alguns Estados-Membros 3 apoiaram esta proposta. No entanto, quando a Comissão Europeia reiniciou finalmente o processo de revisão em 2016, realizou uma surpresa na questão dos riscos reprodutivos.


Em maio de 2016, Marianne Thyssen, comissária europeia para o Emprego e Assuntos Sociais, declarou na altura que o estudo de impacto solicitado pela Comissão "não esclareceu suficientemente os custos e potenciais benefícios" do alargamento da OCM para incluir reprotoxinas.

A utilização de um estudo de impacto custo-benefício para justificar uma decisão política desta magnitude é especialmente chocante, uma vez que o estudo em questão estava obrigado a reconhecer a grande incerteza em torno dos seus cálculos.

Na realidade, os riscos reprotóxicos afetam tanto as mulheres como os homens. Não resultam de uma suscetibilidade no indivíduo, mas de decisões tomadas no processo produtivo.

Em 2017, no âmbito da primeira fase da revisão da diretiva, o Parlamento Europeu aprovou uma alteração que aprovou algo que a própria Comissão tinha proposto cerca de 10 anos antes: a expansão do âmbito de aplicação da diretiva para incluir reprotoxinas. O texto final aprovado, fruto de um compromisso entre o Parlamento Europeu e o Conselho de Ministros, foi menos claro.

Exigiu que a Comissão tomasse uma decisão sobre a possível inclusão de reprotoxinas até 31 de março de 2019. Entre 2017 e 2019, a posição da Comissão endureceu, em parte, devido a divergências internas. As Direções-gerais responsáveis pela regulação dos riscos químicos (DG GROW e DG Ambiente) consideraram lógico assegurar que os trabalhadores beneficiem da legislação da UE, que aplica o mesmo regulamento aos agentes cancerígenos do que às reprotoxinas.

Só a Direção-geral do Emprego se opôs a isso. Perante um prazo firme do Parlamento e do Conselho, a Comissão afastou-se de uma decisão. Na data marcada, publicou apenas um segundo estudo de impacto fortemente tendencioso e online para justificar a sua inércia.  

Esta posição é ainda mais intrigante, uma vez que não houve qualquer pressão por parte da indústria contra a inclusão de reprotoxinas. Longe disso, na verdade. A indústria química é a favor dela, desde que existam derrogações às substâncias para as quais um OEL baseado na saúde foi tornado obrigatório a nível europeu. Para outras questões que seriam submetidas à revisão da diretiva, como as emissões dos motores diesel e a sílica cristalina, tem havido um intenso lobby da indústria, mas não sobre as reprotoxinas.

Uma mentalidade patriarcal

Para além do funcionamento do poder burocrático, o que fez com que a DG Emprego estivesse muito descontente com o facto de o Parlamento Europeu não ter apoiado a sua posição, há uma questão maior sobre o que está subjacente à banalização dos riscos para a saúde reprodutiva no local de trabalho.

Desde finais do século XIX, a preocupação com os efeitos de algumas toxinas industriais nas gerações futuras produziu leis em que a exclusão permanente ou temporária das mulheres tem tido precedência sobre a eliminação da causa. A legislação da UE continua, em parte, a basear-se nesta lógica.

A saúde reprodutiva no local de trabalho só se apresenta explicitamente numa diretiva, a que se aplica às mulheres grávidas. De acordo com esta diretiva, as medidas preventivas só são desencadeadas quando a mulher diz ao seu empregador que está grávida. Este mecanismo é ineficaz do ponto de vista da prevenção e cria discriminação contra as mulheres.

Uma mulher grávida, não o risco no local de trabalho, torna-se o problema. Como as medidas preventivas dependem atualmente da comunicação antecipada das mulheres, raramente são implementadas antes da décima semana de gravidez. É precisamente durante este período de gestação que o embrião em desenvolvimento está em maior risco.

Um estereótipo poderoso perdura, que vê os riscos reprotóxicos como um problema feminino: a reprodução humana, consignada ao domínio privado, não deve criar obstáculos à produção industrial, diz o pensamento. A banalização do risco reprotóxico difunde-o dentro da massa geral dos riscos químicos.

Ninguém diria que o nascimento de uma criança com graves defeitos de nascença é comparável a uma irritação cutânea, mas tais problemas de saúde são considerados uma tragédia pessoal, e muitas vezes experimentados sem apoio e mesmo com um sentimento de culpa.

 Na realidade, os riscos reprotóxicos afetam tanto as mulheres como os homens. Não resultam de uma suscetibilidade no indivíduo, mas de decisões tomadas no processo produtivo. A gravidez em si é um momento de risco particular para alguns tipos de exposição, mas isso não significa que os períodos anteriores sejam isentos de riscos.

A introdução de agentes reprotóxicos no âmbito da diretiva relativa aos agentes cancerígenos permitiria uma melhor prevenção. Porá igualmente a subordinação da reprodução humana aos imperativos da produção. Esta é a principal lição dos casos lycra e Teflon.

Figuras duvidosas prolongam paralisia legislativa

Em 12 de dezembro de 2017, a primeira fase da revisão da diretiva sobre os agentes cancerígenos no local de trabalho concluiu com um compromisso entre o Parlamento Europeu e o Conselho da União Europeia. A Comissão foi chamada a considerar a inclusão de substâncias reprotóxicas no âmbito da presente diretiva.  O prazo foi fixado para 31 de março de 2019.

A resposta da Comissão foi cavalheiresca. Não assumindo uma posição oficial aprovando uma comunicação ou uma declaração. Em vez disso, colocou um estudo no seu site de um consórcio de consultores que deixou imediatamente claro que "não representava necessariamente o parecer oficial da Comissão".

O estudo não tem em conta os recentes desenvolvimentos do conhecimento científico. Limita-se a examinar seis opções políticas que vão desde "não fazer nada", a um plano legislativo, ao alargamento da diretiva relativa aos agentes cancerígenos para incluir todas as substâncias reprotóxicas.

Foram consideradas opções intermédias, tais como a inclusão com determinadas derrogações e a fusão das diretivas existentes. A metodologia foi uma análise custo-benefício.

O relatório concluiu que a opção mais atrativa, do ponto de vista económico, seria incluir várias reprotoxinas na diretiva, mas com múltiplas derrogações automáticas. Esta opção é uma solução cosmética: introduziria substâncias reprotóxicas no âmbito da diretiva apenas para as excluir das medidas preventivas mais significativas.

Seria necessário um comité científico para determinar se uma reprotoxina tem um efeito sem limiar antes de os requisitos preventivos serem plenamente aplicados. Este seria um processo moroso e não seria capaz de ter em conta o efeito cocktail que resulta de múltiplas exposições.

A solução negociada entre organizações sindicais e organizações patronais da indústria química foi chamada de "a mais eficaz em termos de redução do risco reprodutivo", mas seria a opção mais dispendiosa para as empresas.

O estudo continha múltiplos enviesamentos que o levaram a esta conclusão.

Em primeiro lugar, teve de começar por avaliar o número de trabalhadores que beneficiariam de uma prorrogação da diretiva para incluir reprotoxinas, para as quais não existem dados europeus.

O consórcio utilizou dados do inquérito Sumer realizado em França em 2010. Constatou que 1,5% dos homens e 0,6% das mulheres estavam expostos no trabalho a pelo menos um dos seis agentes reprotóxicos. Para compensar que este inquérito se limitasse a apenas seis agentes (ou grupos de agentes), o consórcio duplicou as percentagens. No entanto, houve ainda uma grave subestimação dos números reais afetados.

Por exemplo, o inquérito Sumer não considerou a exposição a pesticidas, o que explica porque é que o seu valor para a exposição a reprotoxinas agrícolas é de 0%. Também não há qualquer menção a substâncias citostáticas e outros medicamentos cujos efeitos reprotóxicos estejam amplamente documentados.

 O inquérito indicou que 13% dos trabalhadores estão expostos a solventes. Alguns destes solventes são reprotóxicos, tais como N-Metil-2-pyrrolidone (NMP) e DMF (N, N-Dimetilformamide), mas embora o consórcio reconhecesse a importância dos disruptores endócrinos, não os influenciou nos seus cálculos.

A segunda extrapolação deles é ainda mais problemática. Para extrapolar os dados franceses para toda a UE, os consultores reduziram drasticamente os números. Decidiram dividir o número de mulheres expostas por um fator de 90 (em comparação com o inquérito Sumer) e os homens por um fator de 25*.

De acordo com o consórcio, o número de homens expostos a um risco de saúde reprodutiva em toda a União Europeia situa-se entre 22 000 e 61 000, e para as mulheres o número situa-se entre 3 000 e 8 000. Estes números são significativamente inferiores aos registados em França para apenas seis agentes.

No entanto, nenhum dado de campo apoiou o que parece ser uma manipulação dos números. O inquérito Sumer contém informações sobre a intensidade da exposição, a frequência e a adoção de medidas preventivas. Os consultores decidiram que apenas as situações mais graves constituíam um risco. Por conseguinte, concluíram que a grande maioria dos trabalhadores expostos a reprotoxinas na Europa não corria qualquer risco para si ou para os seus filhos. Este raciocínio foi baseado na crença e manipulação.

Acreditava-se que as substâncias reprotóxicas são "substâncias limiares" e, por conseguinte, a exposição não teria qualquer efeito prejudicial para a saúde se permanecesse abaixo do limite de exposição profissional. O exemplo do chumbo é suficiente para mostrar a inexatidão deste pressuposto: no que diz respeito ao seu efeito neurotóxico no embrião, não existe um limiar abaixo do qual o efeito seja zero. A manipulação foi que o inquérito sumer não mediu a exposição.

O consórcio apresentou estimativas diferentes para os potenciais benefícios financeiros da inclusão das reprotoxinas na diretiva, que considerou marginais. A estimativa mais generosa calculou que a prevenção de danos no desenvolvimento representava um benefício inferior a 100 milhões de euros por ano, e que a prevenção de danos à fertilidade e à gravidez (incluindo abortos e nados-mortos) ascenderia a menos de 300 milhões de euros por ano.

Vale a pena recordar as palavras de Irving Selikoff, um dos pioneiros na pesquisa do amianto: "Nunca esqueçam que os números nas vossas mesas são destinos humanos, embora as lágrimas tenham sido apagadas." Será que este aviso será adotado para dar uma resposta eficaz a um grande problema de saúde no local de trabalho?

* Este é o fator de redução para a estimativa mais alta. Para a estimativa mais baixa, os consultores aplicaram um fator de redução de 200 para as mulheres e 80 para os homens.

 Nota: Tradução da responsabilidade do Departamento de SST da UGT


Aceda à versão original Aqui


0 comentários:

Publicar um comentário