Subscribe:

Pages

quinta-feira, 28 de maio de 2020

Quando o trabalho afeta a saúde de uma geração para a outra - parte II



UGT : Segurança e Saúde no Trabalho
(imagem com DR)

Limites de exposição para evitar substituição

Romy e Astrid estão longe de ser as únicas mulheres afetadas, e os homens também sofreram problemas de saúde reprodutiva. O sindicato passou quatro anos a tentar convencer a DuPont a indemnizar as vítimas antes de iniciar um processo judicial. DuPont não podia desconhecer a literatura científica que mostrava a reprotoxicidade do DMA.

A empresa sustentou que tinha cumprido os limites de exposição profissional (OELs) e, por conseguinte, não tinha qualquer responsabilidade. No caso da água contaminada com PFOA na Virgínia Ocidental, tinha sido fixado um valor máximo de concentração tão elevado que nem humanos nem animais estavam protegidos. Vários aspetos ligam estes casos para além do facto de ambos envolverem a DuPont.

Porquê investir na prevenção quando a origem do risco no local de trabalho permanece invisível para as pessoas afetadas? A indústria conhecia a toxicidade destas substâncias, mas alegou que cumpriam os OELs. As autoridades públicas mantiveram-se passivas. Atribuíram aos OELs um poder mágico para proteger a saúde, sem considerar o papel fundamental da indústria na sua definição.

As vítimas eram da classe trabalhadora ou, no caso dos residentes locais, pertenciam a grupos de baixos rendimentos. Foram precisos anos para que casos individuais que tinham sido experimentados como tragédias pessoais se ligassem uns aos outros. Uma causa química foi então identificada no local de trabalho.

Mas quando se descobriu que os estudos toxicológicos existiam há anos e mostravam que a substância era reprotóxica, era preciso reconhecer que a causa era também social e política. A saúde dos trabalhadores tinha sido sacrificada pelo lucro da empresa. Tanto a Teflon como a Lycra são usadas para fazer produtos de mercado de massas.

A indústria química parece totalmente poderosa, melhorando a vida com produtos inovadores. Lycra é considerado um símbolo de modernidade e inovação. É promovido não como um tecido, mas o ingrediente mágico que garante "um grande ajuste, conforto e liberdade de movimento".

Três gerações postas em risco através de uma única exposição

A Demeter, base de dados do Instituto Nacional de Investigação e Segurança francesa para a Prevenção de Acidentes e Doenças Profissionais (INRS), fornece informações sobre quase 200 substâncias reprotóxicas utilizadas nos locais de trabalho, esta lista está longe de ser exaustiva.

De acordo com a classificação harmonizada da União Europeia, existem 27 substâncias classificadas como reprotóxicas na categoria 1A (comprovadamente tóxicas para os seres humanos), 234 na categoria 1B (presumivelmente tóxicas) e 150 na categoria 2 (suspeita-se que sejam tóxicas).

Esta classificação inclui apenas uma pequena fração das substâncias no mercado; existem mais 4 700 substâncias notificadas como reprotóxicas pelos fabricantes ou importadores numa destas três categorias. A classificação fica muito aquém da realidade do mercado.

Nas últimas décadas, muitas substâncias foram trazidas para o mercado sem testes suficientemente sensíveis para determinar a sua reprotoxicidade. O mercado foi inundado com novas substâncias, cujo risco que não foi adequadamente avaliado.

As nanopartículas podem, por exemplo, atravessar a barreira placentária que protege o embrião. Os investigadores chineses observaram-no em ratos expostos a nanopartículas de dióxido de titânio, uma substância amplamente utilizada para muitas aplicações diferentes (em tinta, creme solar, alimentos, medicamentos e pasta de dentes).

Um efeito semelhante foi observado em pontos quânticos, pequenas partículas de semicondutores usadas em painéis solares e imagens médicas. Os desreguladores endócrinos também prejudicam a saúde reprodutiva, mas apenas uma minoria deles foi classificado como reprotóxico.

Os procedimentos são lentos e dificultados pela influência da indústria química nos organismos reguladores. Identificar os desreguladores endócrinos é difícil porque o sistema de classificação europeu não reconhece esta categoria

Existe uma discrepância entre a atenção dada a estas questões na área da saúde pública e a sua negligência na saúde no local de trabalho.

Estas substâncias podem ter um impacto em todo o ciclo reprodutivo humano. Podem afetar a fertilidade e a gravidez (causando, por exemplo, nados-mortos, aborto ou parto prematuro). A exposição parental também pode afetar o embrião e pôr em perigo a saúde de uma criança antes do nascimento, aumentando os riscos de doenças como cancro, problemas do sistema imunitário, desenvolvimento neurológico e intelectual, problemas comportamentais e obesidade.

O dietilstilbestrol hormonal (DES), geralmente prescrito durante a gravidez, tem efeitos mais graves nos filhos que tinham sido expostas a esta substância do que as suas mães. Michael Skinner, um investigador epigenético, explica: "Quando uma mulher grávida ingere DES, o seu bebé também o assimila.

É assim que três gerações vêm a ser expostas à hormona simultaneamente e instantaneamente." Skinner diz que a estrutura de DES se assemelha à do bisfenol A, e funciona da mesma forma que o DDT.

Por outras palavras, este medicamento funciona de forma semelhante aos desreguladores endócrinos que têm sido muito utilizados na indústria e na agricultura. Existe uma discrepância entre a atenção dada a estas questões na área da saúde pública e a sua negligência na saúde no local de trabalho.

No entanto, a exposição no local de trabalho é um fator importante para prejudicar a saúde reprodutiva. Não existe uma estimativa precisa do número de trabalhadores expostos na UE: dois milhões parece ser a estimativa mais baixa.

A probabilidade de exposição à reprotoxina é a mais elevada entre os mais desfavorecidos, o que reproduz desigualdades em saúde de uma geração para a outra.


 Nota: Tradução da responsabilidade do Departamento de SST da UGT

Aceda à versão original Aqui.

0 comentários:

Publicar um comentário