Subscribe:

Pages

sexta-feira, 10 de julho de 2020

Artigo OSHwiki - Os efeitos do trabalho por turnos na saúde - parte I


Os 8 efeitos para o seu corpo do trabalho por turnos
(imagem com DR)

O trabalho por turnos é uma realidade cada vez mais comum para responder às novas necessidades das empresas. Apesar de, nalguns casos, haver um acréscimo de 25% na remuneração se o trabalho for realizado em horário noturno, há riscos para a saúde a ter em conta. Este artigo dedica especial atenção aos efeitos adversos do trabalho por turnos e trabalho noturno na saúde dos trabalhadores e trabalhadoras.  


Reflete sobre as boas práticas que podem ser implementadas a fim de gerir os efeitos do trabalho por turnos na saúde.
Este artigo encontra-se em inglês, pelo que procedemos à tradução do seu conteúdo. 

A versão original pode ser consultada Aqui.

Os efeitos do trabalho por turnos na saúde

Qual é o problema?

Estudos recentes tendem a concordar que o trabalho por turnos tem um efeito sobre o risco de lesões. Mostram que os turnos de trabalho noturnos têm um risco de lesão de 25 a 30 por cento maior do que os turnos de trabalho. Mostram também que trabalhar em turnos de 12 horas em vez de em turnos de oito horas aumenta o risco de lesões, novamente em 25-30 por cento.

O risco aumenta uniformemente nos primeiros quatro turnos consecutivos, com aumentos maiores na noite do que em turnos diurnos. No entanto, não é tão claro como os padrões de trabalho anormais afetam a saúde. A perturbação dos ritmos biológicos ao longo de muitos anos pode ter efeitos negativos a longo prazo, o que é uma potencial preocupação no local de trabalho, dada a tendência para a reforma posterior.

Pensa-se que o trabalho por turnos perturbe o relógio biológico do corpo, o sono e a vida familiar e social. As perturbações podem resultar em efeitos agudos no humor e no desempenho, o que pode levar a efeitos a longo prazo na saúde mental.
Juntos, estes podem ter um impacto tanto na segurança como na saúde. O projeto centrou-se nos efeitos a longo prazo do trabalho por turnos e nas implicações para a segurança e gestão da saúde, especialmente a conceção de emprego e a organização de trabalho.

O projeto tinha vários objetivos fundamentais:

- Determinar os efeitos a longo prazo do trabalho por turnos na qualidade do sono, qualidade de vida, saúde física ("disfunção metabólica") e funcionamento cognitivo
– Desenvolver um modelo que mostra como todas as variáveis associadas ao trabalho por turnos interagem ao longo do tempo e afetam a segurança e a saúde no trabalho – um modelo que poderia ser útil na conceção de ambientes adaptados a uma força de trabalho envelhecida
- Examinar as causas fundamentais dos défices cognitivos associados ao trabalho a longo prazo e compreensão dos problemas de segurança com eles relacionados.

O que fizeram os nossos investigadores?

Os investigadores utilizaram uma variedade de técnicas estatísticas para analisar dados sobre o trabalho por turnos e a saúde que tinham sido recolhidos em França durante um período de dez anos (o estudo VISAT, de 1996 a 2006).
Os dados foram obtidos por médicos durante os exames de saúde anual de uma grande e representativa amostra de participantes de uma série de profissões e origens socioculturais.

A amostra era constituída por 3.237 colaboradores que tinham 32, 42, 52 e 62 anos quando os dados foram recolhidos pela primeira vez em 1996.

Os dados foram recolhidos duas vezes mais, em 2001 e 2006, permitindo aos investigadores seguir as mesmas coortes em intervalos de cinco anos.

O número na população de testes diminuiu naturalmente ao longo dos dez anos de recolha de dados. Apesar disso, os dados estavam disponíveis para 1.257 dos participantes durante todo o período de estudo.

O que os nossos investigadores descobriram?

Sono

Sem surpresa, a análise de dados dos investigadores indicou que aqueles que nunca tinham feito trabalho por turnos reportaram os padrões de sono menos perturbados.

Aqueles que desistiram do trabalho por turnos no final da meia-idade (cerca de 52 anos ou mais tarde) desfrutaram de uma melhoria subsequente no seu sono.
Por outro lado, os participantes que tinham desistido do trabalho por turnos mais cedo (antes dos 52 anos) continuaram a reportar um sono fraco – na verdade, o mesmo nível de problemas de sono que os atuais trabalhadores por turnos.

Os investigadores não encontraram razões óbvias para que os problemas de sono causados pelo trabalho por turnos persistissem no grupo de "desistência antecipada", mas não no grupo de "desistentes posteriores".

Uma explicação possível é que o grupo de "desistência precoce" era mais pobre quando entrava no trabalho por turnos, ou eram especialmente intolerantes aos seus efeitos disruptivos, o que os levou a desistir muito rapidamente.

 Por outro lado, aqueles que permaneceram no trabalho por turnos até relativamente tarde na sua vida profissional fizeram-no porque eram mais tolerantes com o trabalho por turnos e não sentiram efeitos tão negativos no seu sono.

Qualidade de vida

Foram examinados cinco aspetos do bem-estar:

(i)                  fadiga crónica (sentir-se sempre cansado);
(ii)                 a reatividade emocional;
(iii)                isolamento social dificuldades na formação e manutenção das relações;
(iv)                stress; e
(v)                 saúde geral.

Os investigadores descobriram que os participantes que trabalhavam em turnos relataram mais fadiga crónica do que os trabalhadores do turno diurno. Os resultados indicaram algumas evidências de que a fadiga diminuiu após os trabalhadores deixarem de fazer trabalho por turnos.

Por outro lado, a fadiga aumentou ou manteve-se inalterada para aqueles que não mudaram o padrão de trabalho. Sobre os restantes quatro aspetos da qualidade de vida, os investigadores não observaram melhorias estatisticamente significativas após deixarem o trabalho por turnos.

Isto sugere que os efeitos negativos do trabalho por turnos não desaparecem imediatamente após os trabalhadores deixarem de fazer trabalho por turnos – com exceção da fadiga crónica.

Saúde física

Os investigadores descobriram que os trabalhadores por turnos ou antigos trabalhadores por turnos são mais propensos do que os trabalhadores que nunca trabalharam por turnos para apresentar sintomas de síndrome metabólica – uma série de problemas de saúde física como obesidade, doenças cardiovasculares, úlceras pépticas, problemas gastrointestinais e incapacidade de controlar os níveis de açúcar no sangue.

A análise teve em conta possíveis diferenças entre os dois grupos em termos de idade, sexo, estatuto socioeconómico, tabagismo, ingestão de álcool, stress percebido e dificuldade de sono.

Cognição

De cada vez que os dados foram recolhidos, os resultados de testes neuropsicológicos (velocidade, atenção, memória episódica verbal) mostraram uma associação clara e independente entre o trabalho por turnos e o desempenho cognitivo.

Esta constatação foi estatisticamente significativa para aqueles que trabalhavam em turnos há dez anos ou mais, mas não para aqueles que trabalham em turnos há menos de dez anos.

Os atuais trabalhadores por turnos tendem a ter o mesmo desempenho cognitivo que os antigos trabalhadores por turnos que tinham regressado ao horário normal de trabalho há menos de cinco anos.

Em contraste, aqueles que tinham deixado o trabalho por turno há mais de cinco anos e aqueles que sempre foram trabalhadores diurnos exibiram um maior desempenho cognitivo.

Os investigadores não encontraram uma relação estatisticamente significativa entre a capacidade cognitiva e a qualidade do sono ou medidas de saúde física, duas variáveis que estão associadas a horários de trabalho incomuns.

Modelo conceptual

Utilizando as suas descobertas, os nossos investigadores desenvolveram ainda um modelo que alguns deles tinham produzido originalmente com outros investigadores.

O modelo mostra como as características de horários de trabalho anormais podem perturbar o relógio do corpo, o sono e a vida familiar e social (mostrada como Nível 3).

Embora os fatores individuais, situacionais e organizacionais (Nível 2) possam moderar estas perturbações, pode ainda haver efeitos agudos sobre o humor e o desempenho (Nível 4), que também podem ser afetados pelas exigências de emprego e pela carga de trabalho.

Estes efeitos agudos podem, por sua vez, alimentar-se de volta ao nível 3, e resultar em efeitos crónicos na saúde mental e na diminuição da segurança (Níveis 6 e 7).

Os indivíduos podem adotar estratégias de copping (Nível 5) para moderar os impactos na saúde mental e as formas como estes, por sua vez, afetam o humor e o desempenho.

O que significa esta pesquisa?

Este estudo lançou alguma luz sobre os efeitos mais crónicos da exposição ao trabalho por turnos e a sua potencial recuperação após deixar o trabalho por turnos. A pesquisa identificou os efeitos crónicos do trabalho por turnos tanto na disfunção metabólica como no desempenho cognitivo, que parecem ser consequências não relacionadas de horários de trabalho anormais.

Também analisou como estes efeitos negativos podem aumentar com mais exposição ao trabalho por turnos (por exemplo, disfunção metabólica, fadiga crónica e desempenho cognitivo) e pode reduzir-se subsequentemente quando os indivíduos deixam o trabalho por turnos.

As evidências sugerem que, embora algumas medidas (por exemplo, queixas de sono e desempenho cognitivo) possam recuperar quando um indivíduo abandona o trabalho por turnos, outras (por exemplo, stress percebido e isolamento social) mostram pouca evidência de recuperação.

Nota: Tradução da responsabilidade do Departamento de SST da UGT 


0 comentários:

Publicar um comentário